Disciplina no corredor da morte no Japão: condenado não pode nem desenhar

O corredor da morte no Japão é um dos que mais chamam atenção. Isso porque há uma rigorosidade e privação de direitos que não existe em todos os lugares.

Além do país ser um dos poucos daqueles que são considerados como de primeiro mundo a terem a pena de morte, a execução acontece por enforcamento. Em muitos outros lugares as pena capital é realizada por outras maneiras que são mais indolores para o condenado, como pela aplicação de uma injeção letal.

Como mostramos também, no Japão os condenados a morte não sabem nem mesmo o dia em que serão executados. Ou seja, ficam em uma ansiedade para saber quando será. Só são avisados uma hora antes que serão mortos.

Conheça aqui um caso em que um presidiário no corredor da morte no Japão foi privado até mesmo de ter lápis coloridos para pintar.

O corredor da morte no Japão não permite lápis coloridos

Um presidiário condenado por assassinato que desenhava desenhos com lápis de cor e os vendia para recompensar parentes enlutados entrou com uma ação exigindo que o governo nacional revogasse a revisão das diretrizes da prisão que proíbem o uso desses lápis, argumentando que isso viola sua liberdade de expressão garantida pela Constituição japonesa.

A primeira audiência do julgamento, apresentada por Akihiro Okumoto, 33, foi realizada no Tribunal Distrital de Tóquio em 7 de outubro de 2021. O governo nacional solicitou que o tribunal rejeitasse o caso, pois as diretivas são “ordens dentro de uma organização administrativa e, portanto, não devem ser coberto por uma ação judicial. ”


Leia também


De acordo com o jornal Mainichi que fez um levantamento de denúncias e de outras fontes, Okumoto foi acusado de assassinar sua esposa, filho e sogra em 2010, e sua pena de morte foi finalizada na Suprema Corte em 2014. Ele foi detido no centro de detenção de Fukuoka, onde ele tem feito desenhos usando um conjunto de lápis de 24 cores.

Ele tem vendido seus desenhos por meio de seus apoiadores e mandado os lucros para familiares enlutados. Assim, é uma maneira que ele encontrou de deixar a família melhor amparada depois de ter cometido tamanha brutalidade.

Em outubro de 2020, o Ministério da Justiça revisou as diretrizes nos centros de detenção “após uma revisão das questões relacionadas à segurança”. Como resultado, os presos no corredor da morte e réus detidos nessas instalações não puderam comprar lápis de cor.

Okumoto argumenta que, em comparação com as lapiseiras e outros utensílios de escrita permitidos nos centros de detenção, o risco de ele se machucar ou a outras pessoas com lápis de cor não pode ser considerado excepcionalmente alto e, portanto, afirma que proibir totalmente a compra dos lápis é excessivamente restritivo.

Ou seja, mesmo estando preso ele ainda possui algumas liberdade. E, para o condenado a pena de morte, exercer esse mínimo de liberdade é fundamental. Afinal de contas, ele já sabe que sua vida está condenada e está somente a espera de seu dia de ser enforcado.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link