Enfermeira japonesa condenada a pena de morte por matar três pacientes

Uma enfermeira japonesa poderá ser condenada à pena de morte.

Isso porque os promotores exigiram a pena de morte para ela após ser acusada de matar três pacientes ao colocar um desinfetante em soro intravenoso em um hospital de Yokohama em 2016.

Saiba mais sobre esse crime e o pedido de morte para a enfermeira japonesa.

O crime e o julgamento da enfermeira japonesa

Ayumi Kuboki, de 34 anos, admitiu ter agido com premeditação ao misturar uma solução anti-séptica nos sacos de gotejamento, causando a morte dos pacientes, em um julgamento de juiz leigo de alto perfil no Tribunal Distrital de Yokohama.

Os promotores observaram que, embora a réu exibisse traços de autismo, ela era totalmente competente para ser julgada, e o distúrbio não afetou sua tomada de decisão ou desempenhou um papel na execução dos crimes.

O advogado de defesa argumentou no julgamento que Kuboki tinha diminuído a capacidade na época dos crimes causados ​​pela esquizofrenia. Entretanto, mesmo com a possível doença mental, matar alguém no Japão pode ter como punição a pena capital.

Assim, de acordo com a acusação, Kuboki matou três pacientes internados – Sozo Nishikawa, 88, Asae Okitsu, 78, e Nobuo Yamaki, 88 – no então Hospital Oguchi, injetando desinfetante em suas bolsas de soro em setembro de 2016 com a intenção de matá-los .


Leia também


Os promotores disseram que Kuboki definiu o momento dos gotejamentos IV para que os pacientes morressem depois que ela já estivesse de folga, para evitar ter que lidar com as famílias por causa de suas mortes.

“Ela agiu de forma muito egoísta … embora estivesse em uma posição de proteger as pessoas que são socialmente vulneráveis”, disseram os promotores. Assim, para eles, é preciso que ela seja condenada à pena de morte para seguir a lei penal japonesa.

Diante dos argumentos dos promotores, a filha de Nishikawa, uma das vítimas deu uma declaração perante o tribunal.

Segundo ela, “eu dificilmente posso pensar que a ré sentiu remorso pelo que ela fez. Quero que ela expie seus crimes com a morte ”, disse ela, referindo-se à ré que repetidamente respondeu: “Não me lembro ”, durante o interrogatório.

O tribunal deve dar seu veredicto em 9 de novembro.

A ex-enfermeira trabalhou no Hospital Hajime de meados de 2015 ao início de 2017. Mais tarde, em 7 de julho de 2018, ela foi presa sob suspeita de matar Sozo Nishikawa em setembro de 2016.

Durante um interrogatório anterior, a mulher confessou os assassinatos e até admitiu que também administrou “uma solução anti-séptica” a cerca de 20 pacientes. Entretanto, hoje em dia ela diz que não se recorda do que aconteceu.

Além disso, de acordo com as notícias japonesas, Kuboki teria afirmado que fez a aplicação de modo que as vítimas não morressem de uma vez, para que ela não tivesse que confrontar seus parentes com a trágica notícia.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link