O ato de mumificar-se em vida: conheça o ritual budista japonês de meditar até a morte

Um ritual budista japonês muito intrigante é o ato de mumificar-se. Ele não pode ser realizado por qualquer um, mas somente por aqueles que são monges.

E, podemos dizer, que nem mesmo qualquer monge conseguiria aguentar esse processo.

O monge budista deve meditar até a morte e depois seu corpo se mumifica na posição em que morreu. Ou seja, mesmo morrendo, ele continua a meditar, sem se mexer.

Conheça aqui mais sobre esse processo e o que significa para a cultura budista.

O ritual budista japonês de mumificar-se

Empoleirado com as pernas cruzadas em um altar em um canto do Templo Churenji, as palmas das mãos voltadas para cima, o monge Tetsumonkai foi criado para meditação perpétua – exatamente como ele pretendia enquanto morria quase dois séculos atrás.

A figura esquelética envolta em mantos clericais é um dos oito monges auto-mumificados – sokushinbutsu – encontrados na prefeitura de Yamagata, no nordeste, entre os 18 que existem no Japão como um todo.

Vários desses restos mortais emaciados de fanáticos que suportaram jejum extremo para alcançar a condição de Buda estão guardados em antigos templos budistas Shingon, situados nas sombras do sagrado Monte Yudono.

Eles representam uma tradição única associada aos praticantes de Shugendo da região, uma antiga religião ascética que combina aspectos da adoração da montanha com o xintoísmo e o budismo esotérico, em que os praticantes (shugenja, às vezes chamados de yamabushi), se submetem a um treinamento rigoroso na esperança de alcançar iluminação e poderes sobrenaturais.

Embora os métodos variem, a prática de mumificar padres respeitados como forma de culto é relativamente comum no Leste Asiático e pode ser encontrada na Península Coreana, China, Taiwan, Vietnã e Nepal, sem mencionar o Tibete, onde monges foram embalsamados e preservados após sua passagem.

 


Leia também


A história do ritual budista japonês de mumificar-se

O costume provavelmente remonta ao primeiro milênio, com os primeiros exemplos encontrados em “Song Gaoseng Zhuan”, biografias de monges eminentes compiladas durante a Dinastia Song da China (960-1279).

Uma história descreve um monge que se estabeleceu no Monte Jiuhua (no que hoje é a província de Anhui), uma das quatro montanhas sagradas do budismo chinês. O monge subsistia com o mínimo de comida enquanto morava dentro de uma câmara de pedra, que se tornou sua tumba quando ele morreu aos 99 anos. Três anos depois, seus discípulos abriram a câmara para encontrar seu mestre mumificado em posição de lótus. Eles içaram e guardaram seu corpo.

No Japão, o fenômeno incomum se concentrou no Monte Yudono, que é agrupado com duas outras montanhas, o Monte Haguro e o Monte Gassan, para formar as montanhas Dewa Sanzan.

Enquanto o Monte Haguro passou a ser afiliado à seita Tendai do Budismo, os templos que adoravam o Monte Yudono pertenciam à escola Shingon de Budismo fundada por Kukai (774-835), um monge do Período Heian (794-1185) e figura monumental no Budismo Japonês , a quem a lenda local credita o estabelecimento do Monte Yudono como um local para a prática ascética.

Fonte: Japan Times.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link