Tratamento domiciliar para COVID-19 no Japão é frágil e não controla a pandemia no país

O tratamento domiciliar para COVID-19 no Japão foi uma maneira que o país encontrou para diminuir a lotação nos hospitais e também para garantir que todos pudessem ter atendimento.

As pessoas que estão contaminadas ficam em casa e são acompanhadas por um médico. Entretanto, esse sistema tem se revelado muito frágil e está vitimando muitas pessoas que poderiam ter melhores chances de recuperação se estivessem com um melhor atendimento e sendo atendidas em um hospital.

Reproduzimos aqui uma matéria realizada pelo jornal Japan Today em que um médico repórter mostra a verdadeira situação que os doentes estão enfrentando.

Tratamento domiciliar para COVID-19 no Japão

O Dr. Jun Sasaki estaciona o carro e destranca o porta-malas. É 26 de agosto, 35 graus em Tóquio. O Dr. Sasaki está fazendo uma visita domiciliar. A engenhoca no porta-malas parece um grande purificador de ar. Na verdade, é um intensificador de oxigênio, portátil, mas pesando cerca de 20 kg.

Não há elevador no apartamento que ele está visitando. Sasaki deve lutar com a coisa por seis lances de escada. Ele chega à porta do paciente suando e sem fôlego. Foi um longo dia e está longe de acabar.


Leia também


O jornalista médico Mamoru Ichikawa relata a história para Shukan Josei (28 de setembro a 5 de outubro). No início de setembro, havia em Tóquio cerca de 17.000 pessoas infectadas com COVID-19, mas incapazes de entrar em um hospital. Médicos como Sasaki salvam muitas vidas e aliviam muito sofrimento, mas não podem atender a todos os necessitados. Em todo o país, 250 morreram em casa com o vírus em agosto, privados de cuidados médicos suficientes.

Sasaki encontra seu paciente em uma forma sombria – um homem na casa dos 50 anos, deitado em uma cama em seu apartamento de um quarto, tossindo dolorosamente e respirando com dificuldade. Sua tez é branca, seus lábios azuis. Com um oxímetro de pulso, Sasaki mede a taxa de saturação de oxigênio do homem. É 90. Qualquer coisa abaixo de 95 significa problemas.

Um tubo conectado ao enriquecedor de oxigênio sobe pelo nariz do homem e Sasaki ativa a máquina. Lentamente, a cor retorna ao rosto do paciente. Noventa e dois, 93, 95. O pior já passou. Uma crise foi alertada.

Ichikawa ouve a história do homem. Transferido de seu escritório para Tóquio, ele estava morando longe de sua família quando certa manhã, cerca de 10 dias antes, ele acordou se sentindo mal. Ele estava febril e ofegante. Em um centro de saúde local, ele fez um exame PCR COVID-19 e o teste foi positivo. Ele recebeu um coquetel de antibióticos e foi mandado para casa. “Cuide-se”, diziam eles.

Mas a febre não baixou e a tosse piorou. O centro de saúde cheira ao Dr. Sasaki. Após a visita de Sasaki, o homem finalmente foi internado em um hospital e agora está recebendo os cuidados de que precisa. Mas estava perto.

Há uma grande diferença, explica Ichikawa em Shukan Josei, entre a hospitalização e o regime de assistência domiciliar instituído por falta de uma melhor solução para o intenso congestionamento hospitalar causado pela onda de verão das infecções por COVID-19.

Hospitalizado, o paciente tem garantidas três refeições ao dia e todos os cuidados necessários. Os sintomas são monitorados e as mudanças tratadas imediatamente. Em casa, você está basicamente sozinho.

As autoridades de saúde locais dão todo o apoio que podem – entregas instantâneas de refeições, aconselhamento médico e assim por diante – mas isso só pode ir até certo ponto. Pelo paciente de Sasaki, sabemos o que isso pode significar quando o paciente está sozinho. No meio de uma família, conforto e ajuda podem estar próximos, mas há outro perigo – o de toda a família ser infectada.

De volta ao carro, a caminho de seu próximo paciente, Sasaki suspira. Isso está além da medicina de emergência, ele diz: “Este é um remédio para desastres”.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link