Idosos no Japão com começo de demência são contratados em lojas para não se sentirem inúteis

Idosos no Japão que estão com demência e outras doenças estão cada vez mais enfrentando trabalho em lojas de conveniência e outros negócios que estão lutando para encontrar funcionários devido à aguda escassez de mão de mão de obra no Japão.

Mas, não pense que isso é ruim. Essa é uma iniciativa que tem ajudado a esses idosos a se sentirem úteis mesmo tendo de encarar doenças complicadas. Assim, essas atividades ajudam o lado emocional para evitar que ele fique extremamente abalado fazendo que o quadro da doença evolua com maior rapidez.

Idosos no Japão com começo de demência e o mercado de trabalho

O sentimento de propósito conquistado com seus esforços incentiva as pessoas a se tornarem autossuficientes e dá uma sensação de satisfação, de acordo com uma fonte do setor que está contratando os idosos. As iniciativas oferecem uma oportunidade de expandir uma estrutura que se provou mutuamente benéfica para prestadores de serviços de bem-estar social bem como empresas com falta de pessoal.

“Gosto de vir aqui e fico feliz em ver outras pessoas satisfeitas”, disse Masako Kawashita, 80, que trabalha em uma loja de conveniência 7-Eleven em Funabashi, província de Chiba. Com uniforme da empresa e avental preto, ela realiza tarefas como higienizar cestas de compras.

Como parte de um acordo entre a loja e uma unidade de cuidados nas proximidades, Kawashita e outros na faixa dos 60 a 90 anos que são certificados como necessitando de cuidados de longo prazo para demência leve, se envolvem em trabalhos como empilhar e verificar as prateleiras com o apoio de um cuidador da instalação. Eles não atendem clientes.


Leia também


O trabalho dos idosos no Japão

Eles trabalham uma hora a cada visita e recebem um voucher de compras no valor de ¥ 1.000 (cerca de R$50,00) a cada três turnos, que podem ser trocados por produtos em toda a rede de lojas 7-Eleven.

O programa foi iniciado no âmbito do “Projeto Nanashoku (Sete Cores),” lançado em conjunto por prestadores de cuidados e proprietários de lojas de conveniência para incentivar as pessoas com demência a se envolver socialmente e adicionar trabalho à sua agenda semanal.

Eles trabalham em horários reservados para atividades recreativas em seus centros de cuidados.

Os envolvidos têm uma forte ética de trabalho, diz Takayuki Morishige, 41, operador do Yasuragi no Mori Maebara, um centro de saúde em Funabashi que participa do projeto, acrescentando: “As pessoas que normalmente usam bengalas começaram a trabalhar sem eles”.

O dono da loja Yusuke Kujirai, 47, que emprega pessoas mais velhas em três de suas lojas, disse: “Os membros da equipe estão felizes em vê-los trabalhar com tanto entusiasmo”. A presença deles energizou as lojas, disse ele.

A capacidade de trabalhar em algum nível tem pouco a ver com demência, disse Tsugumi Sato, 28, secretário-geral do projeto. Pessoas com o transtorno podem trabalhar nessas empresas porque pessoas com experiências e histórias de trabalho diversas podem trabalhar em lojas de conveniência.

Em 2018, o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar informou aos governos locais em todo o país que os usuários dos serviços de saúde teriam permissão para se envolver nas chamadas atividades de voluntariado remunerado.

Fonte: Mainichi.JP.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link