Mães de japoneses sequestrados pela Coreia do Norte fazem novo apelo ao govenro

O desespero de mães de japoneses sequestrados pela Coreia do Norte se mantém há anos. Com a atual mudança do cargo de primeiro-ministro no país, essas mulheres voltaram a fazer apelos para que o Japão negocie e pressione a Coreia do Norte a devolver essas pessoas.

Muitas delas foram sequestradas ainda crianças e nunca mais seus pais tiveram notícias sobre seus paradeiros.

Japoneses sequestrados pela Coreia do Norte são uma questão política

A mãe de Megumi Yokota, que foi sequestrada aos 13 anos e passou a simbolizar a questão dos japoneses sequestrados pela Coreia do Norte, pediu ao primeiro-ministro Fumio Kishida que toma medidas rápidas para resolver a questão de longa data, em 2021, completou-se 44 anos desde que sua filha desapareceu.

Sakie Yokota, mãe de Megumi de 85 anos, pediu a Kishida que dialogasse com Pyongyang, pois ela considera o novo líder japonês como sua última esperança de progredir no assunto, que se tornou mais urgente já que os parentes vivos no Japão estão envelhecendo.

“Quero trabalhar duro usando qualquer força que resta”, disse ela em uma mensagem de vídeo para uma reunião na cidade de Niigata, antes do aniversário do desaparecimento de sua filha.

Agentes norte-coreanos levaram Megumi à força em 15 de novembro de 1977, quando ela voltava da escola para casa em Niigata.

“Eu quero (Kishida) manter conversas com a Coreia do Norte e perceber o retorno dos japoneses deixados para trás por todos os meios”, disse a mãe.

Conversando com repórteres na semana passada em sua casa em Kawasaki, Sakie disse: “Não sei nada sobre (minha filha) desde que ela foi levada. A frustração que sinto está além das palavras. ”

“Nossa família adora Megumi. Quero que ela espere com esperança sem adoecer ”, disse ela. Megumi tem irmãos gêmeos.

No ano passado, o pai de Megumi, Shigeru, que se organizou com outros parentes de cidadãos sequestrados para fazer pressão no governo para resgatar seus filhos e irmãos, morreu aos 87 anos sem nunca ver sua filha novamente.

O governo japonês priorizou o retorno das eliminado de sequestro. No entanto, como as famílias dos abduzidos disseram que o pouco progresso foi feito, apesar de seus inúmeros pedidos aos primeiros-ministros anteriores para resolver o problema.

Em uma reunião realizada em Tóquio no sábado exigindo o retorno dos abduzidos, Kishida disse que vê a questão como a “prioridade máxima” de seu governo e prometeu que a abordará durante sua próxima reunião com o presidente dos EUA, Joe Biden.

O premiê pretende visitar os Estados Unidos para uma cúpula com Biden até o final do ano.

“Como os familiares das vítimas de sequestro envelhecem, não temos muito tempo para resolver o problema. Acredito fortemente que devo resolver isso ”, disse Kishida, que se tornou primeiro-ministro em outubro de 2021.

Ele também reiterou que está disposto a se reunir com o líder norte-coreano Kim Jong Un “sem pré-condições”. Pyongyang afirma que o problema “já está resolvido”.


Leia também


Os outros japoneses sequestrados pela Coreia do Norte

O governo japonês lista oficialmente 17 cidadãos sequestrados por agentes norte-coreanos e suspeita do envolvimento de Pyongyang em outros desaparecimentos de cidadãos japoneses.

Dos 17, cinco foram repatriados em 2002, após a visita do então primeiro-ministro Junichiro Koizumi à Coreia do Norte. Pyongyang afirma que oito morreram, incluindo Megumi, e os outros quatro nunca entraram no país.

O Norte disse inicialmente que Megumi se matou enquanto estava sendo tratada para depressão em 1993, mas depois mudou o ano de sua morte para 1994.

O Japão rejeita a alegação de que ela morreu, em parte porque Pyongyang repatriou restos mortais que alegou serem dela, mas os testes de DNA realizados no Japão concluíram que não eram de Megumi.

Fonte: Japan Times.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link