Papa-katsu: sugar daddy no Japão

Para-katsu, os sugar daddy no Japão, estão cada vez mais em voga no país.

A pandemia do coronavírus trouxe tempos difíceis para as mulheres jovens no Japão. De acordo com uma pesquisa do Ministério de Assuntos Internos e Comunicações, de abril a junho deste ano o número médio de mulheres desempregadas por mais de seis meses atingiu 340.000, consideravelmente acima da média de 280.000 naquele trimestre de 2020.

Algumas mulheres japonesas acabaram tendo “vender” seus corpos para homens mais velhos, uma atividade conhecida como papa-katsu. O sufixo katsu foi originalmente abreviado de kekkon katsudo (caça ao casamento), mas se espalhou para outros empreendimentos e atividades, como shukatsu (atividades em preparação para a morte). Papa-katsu refere se à busca por mulheres jovens, geralmente nas redes sociais, por um sugar daddy para enchê-las de presentes e dinheiro em troca de favores sexuais.

Conheça aqui mais sobre algumas delas.

Sugar daddy no Japão

O jornal Mainichi Shimbun trouxe algumas das histórias dessas mulheres.

Annie, uma indonésia de 21 anos que postou em um site, foi descrita como tendo uma aparência “exótica”.

“Eu trabalhava meio período em um pub gaikokujin em Roppongi, mas em abril do ano passado, quando a pandemia do coronavírus atingiu, o número de clientes começou a diminuir e minhas horas foram reduzidas”, relata ela. “Não consegui pagar os 2 milhões de ienes que pedi emprestado para vir aqui. Uma das garotas japonesas da minha universidade me mostrou um site online que recrutava pessoas para o papa-katsu .”

No caso dela, a remuneração acabou sendo melhor do que o esperado.

“Estou em ‘relacionamentos adultos’ com três homens que conheci online”, disse ela ao repórter. “Eu me encontro com eles periodicamente e isso rende entre 250.000 e 300.000 ienes por mês. Isso é mais do que o dobro do que eu estava ganhando em Roppongi e ocupa menos da metade do tempo. Também estou de volta aos meus pagamentos de empréstimo . “

Ela informou ao repórter que, em maio passado, investiu 700.000 ienes de seus ganhos em um negócio de fornecimento de fertilizantes em sua cidade natal, um vilarejo nos arredores da capital, Jacarta.

“Depois de economizar um pouco mais, gostaria de abrir um negócio imobiliário e de construção, e vender casas em fazendas convertidas.”


Leia também


Phem, uma nativa de Hanói, Vietnã, de 21 anos, frequentava uma escola de língua japonesa. Ela concordou em se encontrar com o repórter de para tomar uma xícara de chá e receber um presente de 5.000 ienes.

“Ela não tinha se esforçado muito para se maquiar, mas era muito bonita. Me lembrava da atriz taiwanesa Vivian Hsu”, escreveu o repórter.

“Eu planejava voltar ao Vietnã em maio, depois de concluir o curso de japonês”, diz ela. “Mas fiquei preso no Japão devido ao coronavírus. Recebi uma prorrogação especial de 6 meses do meu visto. O restaurante vietnamita onde eu trabalhava meio período foi forçado a fechar. Meu japonês ainda não é tão bom, então não consegui encontrar nenhum outro trabalho. Quando as coisas começaram a ficar realmente complicadas, minha colega de quarto vietnamita me contou sobre um site e eu me inscrevi . Até agora, conheci quatro ojisan (homens mais velhos).

“Eu só esperava ganhar um pouco de dinheiro deixando que me levassem para jantar ou karaokê, mas quando o assunto surgiu, concordei em dormir com eles por dinheiro.”

Coco, uma mulher de idade indeterminada que afirmava ser de Cingapura, postou “Estou procurando um relacionamento no qual um cavalheiro possa fornecer ajuda. Podemos nos encontrar?”

Ela acabou se revelando uma pequena “Chiborg”, um termo aplicado a mulheres chinesas étnicas de beleza quase sobrenatural.

Ao encontrá-la em um café, o repórter escreveu que ela falava mal o japonês e que seu inglês de Cingapura era inexistente, o que tornava sua reivindicação dessa nacionalidade um tanto suspeita. Mas o que ela disse a seguir não deixou dúvidas sobre o que ela tinha em mente.

Fonte: Mainichi.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link