Tachibana: a fruta da longevidade no Japão que está sumindo

Tachibana é conhecida no Japão como a fruta da longevidade. Entretanto, ela é muito pouco conhecida até mesmo entre os japoneses. Mas, é muito apreciada por grandes chefes de cozinha.

Além disso, ela está na história do Japão, por exemplo, o desenho de sua árvore está grafado nas moedas de 500 ienes, mas quase ninguém sabe que se refere a ela.

Conheça aqui mais sobre ela e como ela está sumindo por não ser tão cultivada.

A fruta tachibana

De jabara a sanbōkan, o Japão é o lar de um panteão excepcionalmente diversificado de frutas cítricas. Dentre estes, o tachibana (Citrus tachibana) é talvez um dos mais raros e menos conhecidos.

Além do shīkuwāsā de Okinawa, é o único cítrico geneticamente nativo do Japão. Sem surpresa, também está na Lista Vermelha Global de Plantas Ameaçadas Japonesas. É improvável que o consumidor médio esteja familiarizado com ele, muito menos que tenha experimentado um.

O tachibana já teve um status sagrado no Japão. O “Nihon Shoki” do século VIII refere-se a ele como “o fruto da imortalidade”, alegando que a primeira árvore foi trazida do mundo subterrâneo e plantada no sul da atual Prefeitura de Nara.

Os aristocratas de Heian costumavam se perfumar com tachibana em vez de tomar banho.

Mesmo hoje, muitas pessoas terão encontrado inconscientemente este cítrico: representações em miniatura de árvores tachibana são parte integrante dos conjuntos de bonecas ornamentais exibidos no Dia das Meninas, e a moeda de ¥ 500 tem frutas tachibana e flores gravadas em sua face.


Leia também


Por que, então, a tachibana caiu em desgraça?

Simplificando, é excepcionalmente amargo. Sua carne tem a riqueza de uma laranja e as qualidades elétricas de limão e toranja. Sua casca tem um amargor medicinal ainda mais pronunciado que permanece na boca por uma boa hora depois.

Para os fãs da tachibana, essa amargura é justamente o que a torna especial e vale a pena ser preservada.

“Era ao mesmo tempo amargo e doce, com uma fragrância refinada e restauradora”, diz o médico-farmacêutico à base de Nara, Kyoko Onishi, descrevendo seu primeiro encontro com a fruta. Na verdade, a casca da fruta tem uma composição volátil mais complexa do que muitos outros cítricos, o que provavelmente explica seu aroma distinto. Os consumidores modernos acharão amargo demais, diz ela, mas “seria uma pena apagar esse amargor com açúcar”.

Um projeto para salvar a fruta tachibana

Essas qualidades, junto com sua rica história e significado cultural, levaram Kenji Jo e seus amigos a iniciar o Projeto Nara Tachibana em 2011. Sua missão é reavivar o interesse e a consciência pelos citros, preservando o que eles veem como parte integrante da cultura japonesa. enquanto, ao mesmo tempo, aumentava o perfil culinário de Nara.

Primeiro, eles começaram plantando mais árvores – quando iniciaram o projeto, havia apenas 300 árvores tachibana restantes em todo o Japão – e então criando novos canais para promover a fruta após sua primeira colheita, seis anos depois.

Inicialmente, diz Jo, que é o atual presidente do projeto e um de seus cinco produtores, eles abordaram cerca de 30 restaurantes japoneses em Nara com amostras para despertar o interesse, mas foram totalmente rejeitados. Tachibana, disseram a eles, era amargo demais para ser usado no washoku. Um conhecido sugeriu levar os cítricos para chefs treinados na Europa. Para a surpresa de Jo, foi recebido com entusiasmo.

“Na culinária japonesa, o amargor não é palatável”, diz ele. “Mas para os chefs especializados em cozinhas europeias, isso anda de mãos dadas com umami.”

Tachibana é o tipo de ingrediente que você imaginaria chefs com estrelas Michelin explorando em pratos intrincados e com vários componentes.

É ácido e amargo, o que se traduz bem em prolongar umami nos pratos. ” O suco combina lindamente com carne de cabra assada, ele observa, e suas folhas são excelentes com frutos do mar, pois dissipam quaisquer notas desagradáveis ​​de peixe.

Fonte: Japan Times.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link