Unagi: “cobra” selvagem usada em pratos japoneses está em risco de tanto ser consumida

Os japoneses não comem uma cobra exatamente, apesar de sua aparência ser semelhante a uma, trata-se de um peixe: a enguia japonesa.

Esse é um prato típico e muito vendido em determinadas épocas do ano e locais no país. Entretanto, de tanto ser pescada, a enguia selvagem poderá entrar em extinção, visto que já está sendo cada vez mais difícil encontrá-las sem ser em ambientes controlados.

Saiba mais aqui sobre elas.

A enguia japonesa

A maturidade “natural” da enguia é atingida no outono, o que dá origem a aki – unagi: enguia de outono. Redes populares como a Matsuya exibem o tradicional hiragana “u” de “unagi”, em forma de enguia balançando, em banners adornados com folhas de bordo vermelhas. A enguia também aparece em promoções furusato nōzei, nas quais os contribuintes podem optar por pagar impostos em suas cidades natais, em vez de onde eles realmente moram, em troca de presentes – geralmente alimentos de luxo.

Também há lugares onde unagi é um meibutsu (especialidade local) durante todo o ano – Narita, província de Chiba, por exemplo. Lá, os clientes se reúnem para assistir enquanto unagi se contorcendo são jogados contra blocos de madeira, presos no lugar com uma estaca e filetados da cabeça à cauda em segundos. O brilho brutal da cerimônia pode ser difícil de conciliar com o resultado: deliciosa unajū (enguia grelhada com arroz, servida em uma caixa laqueada) ou outras variantes de kabayaki (filetadas e grelhadas), quase sempre com molho de tara.


Leia também


As terríveis estatísticas da enguia japonesa

Deixando de lado as táticas de marketing fáceis e as iscas de gastro-turismo, a dura verdade é que o apetite contínuo por enguias japonesas – tem pairado em torno de 50.000 toneladas por ano desde 2015 – tem um efeito adverso em seus números.

O número de enguias japonesas selvagens tem diminuído rapidamente desde os anos 1970. De acordo com estatísticas do Ministério da Agricultura, Silvicultura e Pesca (MAFF), a captura oficial atingiu um pico de mais de 3.300 toneladas em 1961, mas em 2020 caiu para apenas 65 toneladas; em 2014, a enguia japonesa foi declarada em perigo pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Para compensar o déficit, o país se voltou para a criação de enguias japonesas (16.887 toneladas em 2020) e importações principalmente de enguias americanas e europeias (34.343 toneladas), pressionando ainda mais os estoques globais. As enguias americanas e europeias estão listadas como em perigo e criticamente em perigo, respectivamente.

Apesar das iniciativas do governo para melhorar o estoque, devido à prevalência de pesca ilegal, não declarada e não regulamentada – que subverte os esforços de conservação – e caça furtiva de enguias juvenis, o real status de sustentabilidade da enguia japonesa é desconhecido. Para todos os envolvidos, é uma indústria frustrantemente opaca.

Satoshi Maekawa, Diretor do Grupo de Pesca Marinha do WWF Japão, explica que o declínio no número de unagi se deve a três razões: Mudanças no ambiente marinho; pesca excessiva; e mudanças ambientais em viveiros, como rios e áreas costeiras. O excesso de pesca leva ao desperdício: de acordo com uma pesquisa do Greenpeace Japão, 18 grandes varejistas japoneses descartaram um total de 2,7 toneladas de enguia kabayaki não vendida em 2017.

Fonte: Japan Times.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link