Vacina no Japão matou 1325 pessoas e governo diz não saber o motivo

A vacina no Japão já foi aplicada em cerca de 70% da população. Mas, das 1.325 pessoas que morreram até 24 de outubro após receberem suas vacinas, o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar diz que uma relação causal entre vacinação e morte não pode ser confirmada para 99%, ou 1.317 casos. Por que é isso?

Vacina no Japão e mortes

“Em vez de apenas dizer que ‘não pode ser avaliado’, quero que eles tirem uma conclusão adequada”, disse Yuji Okamoto, 63. Seu filho Hiroyuki, residente na cidade de Higashihiroshima, na província de Hiroshima, morreu aos 30 anos após receber sua segunda vacina da Moderna Inc.. Embora Yuji tenha perguntado ao ministério da saúde sobre a relação causal entre a vacina e a morte de seu filho, ele ainda não recebeu uma resposta convincente.

Hiroyuki teve sua segunda injeção em 22 de agosto de 2021. No dia seguinte, ele desenvolveu febre, então tomou um antitérmico e se recuperou em 24 de agosto.

Mas, apesar de então ter ido para o trabalho, ele foi encontrado morto em seu futon na manhã seguinte.

Hiroyuki não tinha problemas de saúde ou alergias latentes. A vacina que lhe foi administrada foi fabricada na mesma linha e ao mesmo tempo que os lotes contaminados com objetos estranhos, mas seu atestado de óbito após autópsia judicial diz que sua causa de morte é “desconhecida”.

Qual vacina no Japão causou mais mortes?

Das 1.325 pessoas que morreram após receber injeções de COVID em 24 de outubro, 1.279 receberam injeções da Pfizer Inc. e 46 receberam vacinas Moderna. Portanto, as mortes tendem a ser maiores entre aqueles que recebem vacinas da Pfizer, que estão amplamente disponíveis para pessoas idosas.

Assim, os especialistas concluíram que um número esmagador de mortes após as injeções de COVID não pode ser avaliado. Dos 1.325 casos, foi decidido que uma relação causal entre vacinas e mortes não poderia ser confirmada em 1.317 – incluindo 1.272 em que as pessoas receberam vacinas da Pfizer – devido à falta de informação e outros motivos. Os especialistas tiraram conclusões para apenas oito pessoas. Em todos esses oito casos, eles dizem que uma relação causal entre a vacinação e suas mortes não pode ser confirmada.


Leia também


Assim, entre os 1.325, as causas mais comuns de morte incluíram doenças isquêmicas do coração, insuficiência cardíaca e derrames. 84% dos falecidos tinham 65 anos ou mais. Além disso, como os idosos têm maior probabilidade de morrer de doenças crônicas, a investigação pode ser difícil. Oito indivíduos cujas mortes não tiveram relação causal foram considerados como tendo sofrido progressão de doenças crônicas como o câncer.

Mas Hiroyuki era jovem e não tinha doenças crônicas. Seu pai disse com raiva: “Mesmo se o governo nacional me disser que eu deveria estar convencido (pelo que eles apresentaram), isso nunca acontecerá.”

Como, exatamente, as mortes após a administração de injeções de coronavírus são investigadas?

O Japão tem um sistema nacional de notificação de reações adversas para vacinas. Quando uma pessoa inoculada morre, os médicos no local e as instituições médicas devem fazer algumas análises. Depois, com base nos resultados da autópsia e outras informações, eles devem concluir se a morte está “relacionada”, “não relacionada” ou “não pode ser avaliada” devido a uma relação causal com a vacina. Em seguida, devem relatar a conclusão ao governo nacional.

Os relatórios são verificados primeiro pela Agência de Produtos Farmacêuticos e Dispositivos Médicos. Esse é um órgão administrativo independente. Depois, pelo comitê de especialistas do ministério da saúde, para que o governo nacional verifique se as avaliações são apropriadas.

Muitos especialistas estão envolvidos na decisão, mas, na realidade, até 99% dos casos são classificados como “não podem ser avaliados”. Uma razão para esse número tão alto é que várias causas de mortes, além das vacinas, podem ocorrer coincidentemente. Além disso, é necessário fazer uma comparação com os não inoculados para determinar se um sintoma é uma reação adversa, mas esse banco de dados não existe no Japão.

O sistema atual do Japão para determinar uma relação causal entre vacinas e mortes parece estar no seu limite. Nesse ritmo, com as taxas de vacinação aumentando no Japão, o número de casos que não podem ser avaliados apenas aumentará, e a ansiedade e a desconfiança do público em relação à vacina provavelmente se espalharão.

Fonte: Mainichi.JP.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link