Empresas japonesas aumentarão salários para ajudar economia do país

Quase metade das empresas japonesas aumentará os salários. Essa medida será tomada mesmo sem mais incentivos fiscais para aumentos salariais que o governo está planejando introduzir no próximo ano fiscal. Essas informações foram divulgadas pelo jornal japonês Mainichi.

48% empresas japonesas aumentarão os salários

A pesquisa da Teikoku Databank Ltd. indica que mais gerentes estão priorizando salários mais altos para atrair e reter trabalhadores em meio à longa escassez de mão de obra do país e ao rápido envelhecimento da população, embora as perspectivas econômicas permaneçam incertas devido às consequências da pandemia do coronavírus.

O Partido Liberal Democrata, no poder, e seu parceiro, Komeito, estão considerando expandir um sistema de redução de impostos existente para encorajar as empresas a aumentar os salários como parte de um pacote de reforma fiscal para o ano fiscal de 2022 a partir de abril, sob a política de assinatura do primeiro-ministro Fumio Kishida de corrigir disparidades de riqueza por meio do aumento rendimentos da classe média.

Na pesquisa realizada em meados de novembro de 2021, 802, ou 48,6%, das 1.651 empresas que responderam disseram que aumentarão os salários independentemente da escala de incentivos fiscais. Quase 90 por cento dos entrevistados eram empresas de médio porte, como aquelas que têm capital de até 300 milhões de ienes (aproximadamente R$ 10 milhões) ou até 300 funcionários.

O número ficou em 53,6 por cento entre as grandes empresas, em comparação com 47,9 por cento entre as pequenas e médias empresas.

Mais resultados sobre a pesquisa com as empresas no Japão

Do total, 8,5% disseram que aumentariam os salários se os incentivos fiscais fossem ampliados, enquanto 22,3% disseram que considerariam aumentar os salários, o que significa “79,4% do total foram positivos” em relação aos aumentos salariais, disse o Teikoku Databank.

Enquanto isso, 8,1% responderam que não podiam aumentar os salários independentemente da escala de incentivos fiscais e 12,5% disseram que não tinham certeza do que fariam.

Sob o sistema atual, se o pagamento de salários para trabalhadores recém-contratados aumentar em mais de 2% em relação ao ano fiscal anterior, as grandes empresas obtêm deduções fiscais corporativas equivalentes a 15% dos pagamentos.

As pequenas e médias empresas também obtêm uma dedução fiscal de 15 por cento quando o pagamento de salários para todos os funcionários é aumentado em mais de 1,5 por cento.

“A crise de mão de obra diminuiu devido ao impacto econômico do coronavírus, mas tornou-se significativa novamente. Nessas circunstâncias, atrair e manter funcionários se tornou um desafio importante para muitas empresas”, disse um funcionário de relações públicas do Teikoku Databank.

Desde que assumiu o cargo no início de outubro, Kishida disse que terá como objetivo encorajar aumentos salariais por meio de incentivos fiscais. No final do mês passado, ele disse esperar que as empresas que se recuperaram aos níveis anteriores à pandemia aumentem os salários em mais de 3%.

Espera-se que o Gabinete aprove o pacote de reforma tributária no final deste mês, após obter o sinal positivo da coalizão governista

Fonte: Mainichi.JP.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link