Como identificar uma boa espada japonesa?

Para a maioria de nós, só de encostar em uma espada japonesa já seria motivo de alegria. Entretanto, poucos pocem realmente afirmar: essa é uma boa espada.

Além disso, essas espadas não são somente um utensílio de luta, elas são uma verdadeira obra de arte. Porém, para o olho destreinado uma não é muito diferente da outra.

Embora ser capaz de avaliar adequadamente uma espada possa levar uma vida inteira, felizmente, aqui você pode ver o que torna uma espada única e especial.

A espada japonesa Gunto e a diferença com a katana e tachi

Espada Gunto

Gunto pode ser traduzido como uma espada de serviço. Elas eram muito comuns durante a II Guerra Mundial e era portada por militares.

Embora alguns gunto fossem artesanais ou parcialmente artesanais, a maioria era montada em fábricas a partir de barras padrão.

Normalmente suas lâminas eram de alta qualidade. E se você sabe ler japonês e sabe como abrir o cabo, poderá ver uma assinatura que estará na parte da lâmina dentro do cabo e aí você poderá distinguir se é uma espada artesanal ou não.

Porém, hoje em dia o governo japonês proíbe as gunto. Afinal de contas elas são consideradas como armas produzidas em massa e sem valor artístico.

A gunto não é baseado em katana – que possui uma lâmina curva -, mas em um tipo mais antigo de espada chamado tachi.

Espada Katana

As tachis são muito parecidos com as katanas, mas eram usados ​​na horizontal, com a ponta para baixo atrás das costas de um samurai.

Soldados japoneses da Segunda Guerra Mundial penduravam suas espadas em seus quadris, mas com a ponta para baixo nas alças da bainha.

Os detalhes de uma espada japonesa

As espadas japonesas têm muitos detalhes que são difíceis de capturar sem iluminação adequada, então você precisa de uma fonte de luz boa e forte.

É tradicional curvar-se a uma espada antes de uma visão, embora se a ocasião for informal, provavelmente parecerá estranho. Primeiro, segure-a com a ponta para cima e empurre o cabo para longe da bainha com o polegar. Não toque no metal. O ácido em sua impressão digital causará ferrugem. Deslize a espada ao longo de suas costas para garantir que a bainha não arranhe a lâmina.

Uma vez fora, segure a espada na vertical no comprimento do braço e observe a curvatura.

Para lâminas antigas, o posicionamento da curva afetava seu poder de corte e a rapidez com que podia ser desenhada.

A ponta determinava seu poder de perfuração e podia variar de longa e curva a curta e angular. O ferreiro também escolheria que tipo de costas forjar, de plana a de três lados. Os avaliadores usariam todos esses recursos para dizer de qual período e escola de ferreiro a espada veio, mas se você estiver apenas vendo uma lâmina, basta saber que esses recursos existem.


Leia também:


O aço de uma espada japonesa

As espadas japonesas são, geralmente, feitas de um aço tamaagane. A presença do carbono torna o aço duro, mas também o torna quebradiço. Tamahagane possui tanto carbono que uma espada feita de metal não tratado quebraria na primeira vez que fosse usada. Cada dobra reduz o teor de carbono em cerca de 0,2% até que fique macio o suficiente para resistir ao uso.

A imagem comum de uma katana sendo dobrada milhares de vezes depende do que você considera uma dobra. Se você contar a quantidade real de vezes que o ferreiro dobra o aço, dobrá-lo mil vezes reduziria o teor de carbono a zero, tornando o aço impróprio para uma espada. Se você contar o número de camadas realmente criadas no metal, o número de “dobras” cresce exponencialmente. De qualquer forma, as camadas formam um padrão distinto que aparece após o polimento.

Os assobios de uma espada japonesa

Fazer uma lâmina leva meses, mas uma espada demora ainda mais. O ferreiro faz um polimento grosseiro e polimento depois que ele termina uma lâmina, mas depois é enviado para um polidor de espadas profissional. O polidor usa uma série de pedras cada vez mais finas para realçar os detalhes do aço. Sem um polidor habilidoso, a lâmina pareceria apenas uma peça de metal sem características.

Muitos colecionadores só se preocupam com a lâmina em si, então muitas novas espadas são apenas embainhadas em uma shirasa, uma simples bainha de madeira. No entanto, se o ferreiro quiser todos os sinos e assobios, ele enviará sua criação para um fabricante de bainhas.

Fonte: Tofugu.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link