Escola japonesa suspende aluna por cuidar de suas sobrancelhas!

Uma escola japonesa em Fukuoka, em sua tradicional inspeção aos alunos, verificou que uma aluna havia rapado suas sobrancelhas. Como punição, suspendeu a menina por três dias para que aprendesse a não agir mais dessa maneira e respeitasse as regras de vestimenta e conduta corporal da escola.

Confira aqui mais sobre essa história e como as escolas japonesas são altamente rigorosas com seus alunos em relação ao que vestem e o que fazem com seus corpos.

A rigorosidade da escola japonesa com a vestimenta e os corpos dos alunos

As escolas japonesas tendem a ser muito exigentes quanto à conduta e aparência dos alunos. Nos últimos anos, até que houve um certo afrouxamento de algumas regras rígidas, ainda mais por conta de uma certa movimentação que passou a questionar como as escolas estão suprimindo as individualidades dos alunos. Porém, essas regras ainda estão longe de acabar. Assim, elas não desaparecem completamente e vemos provas disso, como a dessa escola localizada na província de Fukuoka.

Em abril de 2022, uma escola pública de ensino médio na cidade de Kurume, em Fukuoka, estava realizando uma verificação para ver se os alunos estavam cumprindo as regras da escola em relação a penteados e tinturas de cabelos.

Mas enquanto os pelos da cabeça de uma aluna do terceiro ano passaram na inspeção, a escola teve um problema com os pelos das sobrancelhas, ou, mais especificamente, com os pelos das sobrancelhas que ela não tinha mais.

Assim, como você já deve estar imaginando, uma das regras da escola proíbe que os alunos cortem ou raspem suas sobrancelhas. ou raspar as sobrancelhas.

O que aconteceu foi que, a menina de 14 anos estava removendo os pelos nas bordas das sobrancelhas para dar uma aparência mais arrumada. A escola considerou isso uma infração. Dessa maneira, a escola resolveu puni-la, com três dias de besshitu toko. Ou seja, ela foi suspensa, mas isso não significa que ela ficaria em casa. Mas sim que estaria tendo aulas em uma sala separada.

Longe do restante de sua turma, ela ainda teve de escrever um ensaio refletindo sobre sua transgressão.


Leia também:


O ponto de vista da escola japonesa

Miki Hata, diretora de educação de Kurume de 55 anos, foi questionada sobre o incidente, e disse: “Acredito que a escola pode estar preocupada que, estando em idade de desenvolvimento, as crianças possam se distrair concentrando-se excessivamente em suas sobrancelhas e penteados.”

A escola japonesa acredita que sobrancelhas estilizadas como sendo efetivamente o mesmo que usar maquiagem. E muitas escolas no Japão têm regras contra o uso de maquiagem para que os alunos não percam tempo com isso e sim só foquem nos estudos.

Entretanto, curiosamente, a etiqueta japonesa enfatiza a importância de uma aparência bem cuidada ao sair em público, e o cabelo excessivo no rosto ou no corpo é muitas vezes considerado despenteado.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link