Existem crimes no Japão e não são poucos. Conheça os mais comuns e se proteja

Existem crimes no Japão que são muito comuns no país.

Entretanto, o Japão permanece sendo um país relativamente seguro, ainda mais quando se fala de países em desenvolvimento e que convivem com violência constante, como o Brasil.

O Japão tem mais de 127 milhões de pessoas possui algumas das taxas mais baixas do mundo para crimes graves, como assassinato, roubo e estupro.

Além disso, o Japão está continuamente no topo do Índice de Paz Global. E embora às vezes possa parecer que a perseguição e o crime contra crianças são galopantes no Japão (a taxa de perseguição atingiu um recorde de 22.823 este ano, acima dos 21.000 em 2013), essa percepção vem em grande parte da ampla exposição na mídia. Nos EUA, por exemplo, estima-se que 6,6 milhões de pessoas sejam perseguidas por ano.

Embora crimes graves possam não ser tão altos quanto em outros países desenvolvidos, há muitos outros crimes nos quais o Japão se destaca, e o país tem sua parcela de cidadãos inescrupulosos. Estas são as coisas que você provavelmente não ouviu muito sobre. Conheça aqui dois tipos de crimes bem famosos. 

Crimes no Japão: Sagi

“Sagi” significa fraude ou golpe, e é muito comum no Japão. Nesse caso, nas chamadas telefônicas o criminoso pede à vítima que envie dinheiro com urgência para ajudá-la a sair de uma enrascada. Os caixas eletrônicos no Japão geralmente têm placas posicionadas ao lado deles, questionando os motivos das pessoas para sacar dinheiro, perguntando “Você não recebeu um telefonema pedindo dinheiro” ou “Tem certeza de que não é uma farsa?”

Há mais tempo, golpes enganosos eram realizados por vendedores de porta em porta que vendiam futons de 300.000 ienes principalmente para idosos. Eles são vendedores que fazem pressão para que os idosos comprem suas coisas.

Parece estranho que tantas pessoas caiam em tais golpes, mas quando a emissora de televisão nacional endossa produtos apresentados em seus programas de TV diurnos e solicita vendas por telefone após o programa, e quando às 19h outras estações de TV japonesas começam a exibir anúncios de pílulas milagrosas e equipamentos de ginástica com números gratuitos, não é de admirar que muitas pessoas não consigam distinguir a diferença entre publicidade genuína e especulativa.


Leia também:


Crimes no Japão: Enjokosai

“Enjokosai”, ou namoro compensado, é um conceito que se originou no Japão, mas desde então se espalhou para outros países asiáticos, como Taiwan e Coréia do Sul. Em suma, “enjokosai” geralmente envolve meninas do ensino médio namorando homens muito mais velhos em troca de dinheiro, presentes ou simplesmente sendo mimadas durante seu tempo juntos. A parte complicada aqui é que, em uma reviravolta exclusivamente japonesa em algo tão mundano quanto a prostituição, “enjokosai” nem sempre envolve relações sexuais.

Considere que você poderia ir ao Kabuki-cho de Tóquio e ver homens segurando cartazes anunciando a oportunidade de tocar os seios das mulheres por 30 minutos por apenas alguns milhares de ienes, e que nos anos 1980 não havia “cafés sem calcinha” (“no-pan kissa”) onde as garçonetes andavam em pisos espelhados vestindo saias, mas sem calcinha. Enquanto muitas meninas da escola vão até o fim , muitas não o fazem e simplesmente gostam de ser levadas a estabelecimentos chiques em encontros com homens com mais de 40 anos . Enquanto alguns recebem dinheiro, outros preferem receber produtos de luxo (símbolos de status na sociedade japonesa).

Fonte: Japan Today.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link