Olimpíadas maltratou e escondeu moradores de rua de Tóquio

As Olimpíadas podem ser chamadas de “festival da paz”, mas pelo menos um homem forçado três vezes a deixar espaços ao ar livre perto do Estádio Nacional de Tóquio, que ele chamava de lar. Para ele, o evento está longe de ser uma comoração pacífica.

banner-loja

Embora os Jogos de 2020 tenham acabado, as antigas “casas” das pessoas e situação de rua continuam cercadas. Em nome da festa da paz, muitas pessoas só receberam tratamento desumano.

Saiba mais sobre como o Japão tratou as pessoas que estavam nas ruas.

Os moradores de rua de Tóquio e as Olimpíadas

Em 18 de junho, aproximadamente um mês antes do início dos Jogos de Tóquio, quatro funcionários do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio e do Governo Metropolitano de Tóquio apareceram em uma área gramada perto do Estádio Nacional administrado por este último. Osamu Yamada, 64, que morava lá há muito tempo, foi cercado por seus apoiadores ao se encontrar com as autoridades.

Um membro da equipe do comitê organizador disse: “Vamos armar cercas aqui”, e um oficial do governo de Tóquio deu a Yamada um “aviso”. O papel dizia: “Esta propriedade (pertences) está interferindo no gerenciamento das estradas, portanto, remova-os imediatamente.”

Nascido em Tóquio, Yamada lembra que seu pai o trouxe ao antigo Estádio Nacional para assistir aos eventos de atletismo dos Jogos Olímpicos de 1964 em Tóquio. “Os assentos estavam numerados e eu me perguntei por que fomos forçados a sentar em assentos específicos”, disse ele, brincando. Então, também, medidas foram tomadas contra os sem-teto em nome do “embelezamento da capital”. Yamada nunca imaginou que 57 anos depois, ele estaria sujeito a deslocamento.


Leia também:


Depois de terminar o ensino médio, ele trabalhou na construção civil e em empregos diurnos enquanto morava em pensões baratas. Mas a economia e os empregos começaram a diminuir no início dos anos 1990. Os alojamentos baratos foram transformados em hotéis um por um. Incapaz de pagar um quarto, Yamada se viu nas ruas.

Osamu Yamada ganha a vida coletando latas de alumínio, que realiza tarde da noite e de madrugada. Atualmente, ele pega latas vazias de álcool consumido ao ar livre, que se tornou popular durante a crise do coronavírus devido aos bares que fecham mais cedo.

Então, a oferta vencedora de Tóquio para os Jogos Olímpicos de Verão de 2020 mudou tudo. Para a construção do novo Estádio Nacional, o Governo Metropolitano de Tóquio fechou definitivamente parte do Parque Meiji em janeiro de 2016. Yamada queria ficar no lugar que conhecera tão intimamente, mas em abril de 2016 uma ordem de execução do tribunal significou que ele e vários outros que viviam no parque tiveram que deixar seus lugares.

Eles se mudaram para uma parte diferente do parque, mas tiveram que deixar essa área cerca de oito meses depois, devido à construção de um prédio para o Comitê Olímpico do Japão (JOC) e a Associação Desportiva do Japão (JSPO).

Sem escolha, Yamada mudou-se para uma área gramada próxima em uma antiga estrada municipal não pavimentada agora cheia de ervas daninhas.

O Conselho Desportivo do Japão (JSC), principal órgão que rege a construção do novo Estádio Nacional, exigiu que Yamada deixasse o Parque Meiji. Yamada e outros moradores do parque, junto com organizações que os apóiam, entraram com uma ação de danos civis contra o JSC, o governo metropolitano de Tóquio e o governo japonês, alegando que os réus infringiram seu direito à vida.

Fonte: Mainichi.JP.

Receba GRÁTIS notícias do Japão