Tufão atinge o Japão e causa mortes, alertas e evacuações

Quando um tufão atinge o Japão pode causar tempestades terríveis, como também pode ser algo mais tranquilo.

Entretanto, não foi isso que aconteceu neste final de semana.

Milhões de pessoas no Japão estavam sob alertas de evacuação na segunda-feira passada, quando o tufão Nanmadol trouxe ventos fortes e chuvas fortes para o sudoeste do país depois de atingir a costa durante a noite.

O poderoso sistema enfraqueceu para uma tempestade tropical desde que chegou em terra no domingo à noite em torno da cidade de Kagoshima, na região sudoeste de Kyushu, mas ainda derrubou árvores, quebrou janelas e deixou rios quase transbordando.

A emissora nacional NHK disse que duas pessoas morreram e outras 60 ficaram feridas quando a tempestade passou por Kyushu. Não houve confirmação imediata dos números por parte das autoridades.

Funcionários da Agência Meteorológica do Japão alertaram que na província de Miyazaki, onde algumas áreas registraram mais chuvas em 24 horas do que normalmente recebem em setembro, os níveis dos rios estavam altos.

Tufão atinge o Japão e gera alertas

“Mesmo uma pequena quantidade de chuva adicional pode fazer com que o nível da água aumente, então, por favor, permaneçam vigilantes sobre inundações e deslizamentos de terra”, disse Yoshiyuki Toyoguchi, do Ministério da Terra, a repórteres.

Ainda assim, dada a intensidade da tempestade, que chegou à costa com rajadas de até 234 quilômetros por hora, os danos pareciam relativamente limitados até agora.

“O tufão praticamente desapareceu hoje e a chuva e o vento também estão diminuindo agora”, disse à AFP um funcionário encarregado da gestão de crises na cidade de Saito, em Miyazaki. Entretanto, o tufão deixou um rastro de danos.

“Mas a energia está ausente  em alguns lugares… também estamos ouvindo de muitos moradores que os fios elétricos foram cortados e as árvores foram derrubadas”, disse ele, que não quis ser identificado.

“As inundações também estão afetando algumas áreas”, acrescentou, dizendo que as autoridades “acreditam que ainda há muitos detalhes dos danos que ainda precisamos entender”.

Raros “avisos especiais” para as províncias de Kagoshima e Miyazaki, emitidos apenas quando há previsão de eventos climáticos observados a cada poucas décadas, foram rebaixados.

Mas os avisos de evacuação de vários níveis permaneceram em vigor para 9,6 milhões de pessoas no último dia de um fim de semana de férias no Japão.


Leia também:


Os avisos não são obrigatórios, e as autoridades às vezes lutam para convencer os moradores a deixar suas casas durante eventos climáticos extremos.

Na cidade de Izumi, na província de Kagoshima, Yasuta Yamaguchi, de 30 anos, passou a noite em um hotel local para se proteger da tempestade.

“Vim ao hotel para me abrigar porque ventava muito e achei que era perigoso”, disse à AFP. “Não me senti segura em casa.”

Na manhã de segunda-feira, quase 313.000 residências em Kyushu e na região vizinha de Chugoku estavam sem energia, disseram as concessionárias. Centenas de voos foram cancelados, disse a NHK, e muitos serviços de trem nas regiões afetadas também foram interrompidos.

A partir das 13h, o tufão estava em espiral norte-nordeste perto de Kitakyushu, a cidade mais ao norte da ilha de Kyushu, com rajadas máximas de cerca de 162 quilômetros por hora, segundo a JMA.

Fonte: Japan Today e Kyodo.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link