Restos de pessoas cremadas no Japão poderá ser vendido para cidade faturar milhões

As pessoas cremadas no Japão, após morrer, deixam tanto cinzas como alguns pertences que carregavam no corpo. Entre eles, dentes de ouro ou prata ou platina. E, como se sabe, esses metais valem muito dinheiro.

A cidade de Kyoto, pretende verificar o resto das cinzas que possui em seu depósito em busca desses metais para comercializar no mercado. De acordo com a prefeitura, essa seria uma maneira de faturar milhões de ienes que poderiam ser convertidos em investimentos no próprio sistema de cremação da cidade.

Confira e entenda aqui mais sobre essa história.

As pessoas cremadas no Japão e o resto de suas cinzas

No Japão, as pessoas tendem a ser cremadas quando morrem. No entanto, a cremação é um processo que consome muita energia e requer equipamentos especializados, por isso os locais que podem realizá-la são limitados.

Tome a cidade de Kyoto, por exemplo. Dizem que eles têm apenas um grande crematório no salão funerário central de Kyoto, administrado pela cidade, na ala Yamashina. 

Para tornar as coisas mais problemáticas, nas regiões de Kansai do Japão, particularmente em Kyoto e Nara, há um costume muito antigo de os enlutados apenas removerem certos ossos do falecido após a cremação e transportá-los para o túmulo da família. Os restos mortais são enterrados pelo crematório em suas próprias instalações.

O “túmulo” do Salão Funerário Central de Kyoto, por falta de uma palavra melhor, onde ele deposita todas as cinzas que sobraram, está se enchendo. Como resultado, a cidade instituiu um método para reduzir o volume atual de cinzas, peneirando os fragmentos ósseos não incinerados e triturando-os em pedaços menores, e durante esse processo de peneiramento também foram encontrados metais preciosos

Assim, dessa maneira, apareceu uma solução para a cidade de Kyoto.


Leia também:


A ideia de vender os itens das pessoas cremadas no Japão

Foi apresentada uma proposta à Câmara Municipal para vender estes metais que antes eram trabalho dentário das pessoas e que sobreviveram à cremação. Um enchimento de ouro aqui e ali certamente não vale muito, mas ao filtrar 39 toneladas de cinzas geradas em 13.000 cremações entre abril e dezembro do ano passado, isso soma.

Mas não acredite na minha palavra, aqui está um detalhamento dos metais adquiridos:

  • 7,1 kg de ouro
  • 0,2 kg de platina
  • 21,1 kg de prata
  • 6,2 kg  de paládio

Tudo isso soma 119 milhões de ienes (mais de R$ 4 milhões) em metais preciosos. A cidade está atualmente discutindo se deve prosseguir com a venda e economizar o dinheiro para usar quando o salão funerário precisar de reformas . Por um lado, seria um desperdício simplesmente jogar fora essas substâncias úteis e valiosas. Por outro lado, o plano certamente tem uma sensação macabra.

A cidade de Kyoto não tem obrigação de discuti-lo, já que há precedência legal apoiando sua propriedade sobre os restos mortais. Além disso, como todos os restos mortais são armazenados juntos, seria quase impossível distinguir quais metais pertenciam a quem em um esforço para devolvê-los. 

Fonte: Sora News.

Receba GRÁTIS notícias do Japão