Komomaki: por que os japoneses colocam cintas nas árvores?

Os japoneses cuidam muito bem das árvores e um dos itens que utilizam é o komomaki. Conheça sobre ele no artigo a seguir. 

Os jardineiros japoneses são muito admirados pelo cuidado escrupuloso que dispensam às plantas, principalmente nos meses de inverno. Um exemplo é o yukitsuri (雪 吊 り literalmente, ‘funda para neve’), um arranjo triangular de cordas em uma estrutura que é presa a pinheiros nos meses de inverno para proteger seus galhos de serem danificados pelo peso da neve pesada.

Os agricultores no norte de Honshu começaram a prática para proteger suas macieiras do peso das frutas e da neve no final do outono. A partir daí, o hábito de se  espalhou pelo Japão. Tóquio não recebe muita neve atualmente, mas os yukitsuri ainda são comuns, mesmo que apenas para fins decorativos e como fūbutsushi (風物 詩 marcador sazonal), ou seja, para demarcar e comemorar a estação.

Outra visão comum nos jardins japoneses nos meses de inverno é o shimo-yoke (霜 除 け), um invólucro de palha para plantas de climas mais quentes que as isolam da geada, ajudando-as a sobreviver no inverno.

Essas inovações engenhosas ajudaram inúmeras plantas a sobreviver a invernos que, de outra forma, as teriam matado e são um tributo ao cuidado e atenção que os jardineiros japoneses dedicam a suas plantas.

Uma delas é o Komomaki  (菰 巻 き, também conhecido como  waramaki 藁巻 き) são cintos de palha que envolvem os troncos dos pinheiros no início do inverno no Japão para protegê-los contra pragas.

A história do komomaki

O costume remonta ao período Edo, quando um jardineiro teve a ideia de usar cintos de palha como forma de lidar com os matsukareha (マ ツ カ レ ハ ou 松 枯葉 蛾), ou mariposas (Dendrolimus spectabilis), que se alimentam de agulhas de pinheiro. Se não forem controlados, seus apetites vorazes podem enfraquecer os pinheiros.

A ideia é que, quando a temperatura cai, as mariposas descem das árvores em busca das temperaturas mais quentes que se encontram no solo ao pé da árvore. O tapete de palha imita o isolamento do solo. Ao manter a parte superior do komomaki solta e a inferior apertada, as mariposas entram, mas não conseguem sair e permanecer nas esteiras durante os meses de inverno.

Chega no início de fevereiro, enquanto as mariposas ainda hibernam, as esteiras são removidas e queimadas, matando-as e deixando a árvore ilesa. Suas cinzas são usadas como fertilizante para a árvore.


Leia também


Os problemas do komomaki

No entanto, a sabedoria desse costume consagrado pelo tempo foi questionada nos últimos anos. Em 2005, um estudo do komomaki no castelo de Himeji por Chikako Niiho e outros do Instituto de Tecnologia de Himeji descobriu que apenas seis dos 1.577 insetos capturados em komomaki naquele ano (0,3%) eram mariposas do pinheiro. O resto deles eram insetos que são realmente benéficos para os pinheiros.

Diante da prova incontestável do número lamentavelmente baixo de mariposas do pinheiro capturadas em komomaki , os jardineiros japoneses, geralmente o epítome do conservadorismo prudente, tiveram de aceitar que seus antepassados ​​podiam estar latindo para a árvore errada o tempo todo.

Embora os komomaki ainda sejam usados ​​em nove jardins tradicionais em Tóquio para marcar a passagem do outono, o Palácio Imperial não os usa mais. Resta saber se outros jardins seguirão o exemplo.

Fonte: Grapee.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link